Foto: reprodução internet

Com a chegada dos dias quentes, é normal embarcar para aquela jornada na praia, na cachoeira ou em clubes para amenizar o calor. E se você tem um cão ou gato, sabe que a rotina normal é incluí-los nos passeios. Mas você sabia que são necessários cuidados com os pets nesses locais com água?

Sim! Não é só porque aquele vídeo fofo da internet, de um cãozinho que se aventura a nadar, é uma realidade para todos os animais. Muitas raças de cachorros, como pug e o boxer, que têm o focinho achatado e cabeça mais curta, têm dificuldade para respirar devido ao formato do corpo. É arriscado e cruel deixá-los em contato com grandes quantidades de água.

Já as raça golden retriever, labrador e border collie nadam com facilidade e gostam do contato com piscinas e rios. Ainda assim é importante estar atento às vacinações e vermifugação. Todas devem estar rigorosamente em dia para não contaminar nenhum local que acessem.

Já como prática física, a natação é uma ótima atividade para os bichanos. Sem impactos nas articulações, proporciona bem-estar e aquele gasto de energia extra.

Porém, mesmo sendo saudável para a maioria, a prática não é recomendada para animais debilitados, cardíacos e com problemas de pele.

Foto: reprodução internet

Sozinho, nunca
Mesmo se você tem certeza que ele sabe nadar, jamais deixe seu cão sozinho na piscina ou rio. É interessante atentar-se em alguns detalhes como se há escadas acessíveis para seu pet. Assim, é possível que ele saia com facilidade caso caia sem querer na água.

Cuidado com o cloro e brincadeiras
Não submeta seu animal de estimação à qualquer piscina. O cloro em excesso pode fazer mal aos olhos, pele e mucosas do pet. É importante que a quantidade do produto esteja dosada.
Qualquer brincadeira ou treinamento deve ser feito sem forçá-los. Jogar o cão ou gato na água pode gerar traumas. É interessante iniciar colocando o animal em uma bóia apropriada. Brinquedos como bolinhas também são bem-vindos na hora da diversão.

Atenção pós-piscina
Jamais deixei o animal molhado após nadar. As orelhas dos cães são bastante sensíveis e exigem atenção redobrada. A umidade, aliada ao calor, pode favorecer a proliferação de fungos e bactérias no canal auditivo dos cães. Por isso, é fundamental secar bem, com algodão ou gaze, os ouvidos do animal.
Outro cuidado é dar uma boa ducha de água doce para retirar o cloro para evitar alergias. Feito isso, seque bem o animal para não deixar a pele e os pelos úmidos.

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta