A Globo anunciou, nesta quinta-feira (18/1), os participantes da edição 2018 do “Big Brother Brasil”. O reality show vai começar em 22 de janeiro.

A cearense Patrícia tem 32 anos, é nascida em Icó e hoje mora em Fortaleza, sua cidade do coração. “Mulher de interior tem força!”, garante. Solteiríssima, Kika diz que não consegue engatar em um relacionamento estável, porque não encontra um match que a aceite como ela é.

Nayara, 33 anos, expande energia. A jornalista do ABC paulista mora no centro de São Paulo em um apartamento completamente amarelo. Nêga, como é chamada carinhosamente pelos amigos e familiares, mora na companhia de seus gatos Mário e Antônia e de seu amigo, Kauê. Nesse lar amarelo, um item chama atenção no meio da sala: o carrinho de supermercado. “Sempre quis ter um carrinho. Além de decorar, fica bacana no meio da sala”, explica.

Mara tem 53 anos, é cientista política e mineira. Muito falante, ela não para de se mexer e gesticular um segundo. Nos momentos de alegria, Mara solta uma baita gargalhada contagiante. Nascida em Governador Valadares, Minas Gerais, Mara é graduada em História, com Mestrado e Doutorado em Ciências Políticas. Por causa dos estudos, a sister chegou a morar na Espanha algumas vezes e em outros estados brasileiros. Tudo com a filha, Ana Luíza, de 22 anos, que promete acompanhar a mãe pela TV.

Mahmoud é sexólogo, tem de 27 anos e é nascido em Manaus. A história do brother do BBB18 tem um capítulo importante no Líbano. Quando tinha seis anos, seus pais faliram e precisaram deixar o Brasil, voltando ao país de origem. “Fomos eu, minha irmã e meus pais apenas com a roupa do corpo”, relembra.

 

Lucas tem 27 anos, é empresário e já passou por muita coisa até conseguir seu negócio próprio. O cearense começou a trabalhar desde novo como modelo e já morou em cidades como Xangai, Nova Iorque e Los Angeles. “Sofri preconceito do meu próprio pai. A geração dele ainda é muito fechada. O modelo é taxado como gente que não tem pudor”.

Kaysar mora no Paraná desde 2014. Em 2011 ele viu a Guerra da Síria com seus próprios olhos e precisou dar adeus à sua família, sua casa em Alepo e tudo o que sabia do mundo até então. Seguindo seu caminho, tentou fazer uma vida na Ucrânia – “uma época bem pesada, mas em que aprendi coisas importantes. Depois de lá, vi como transformar as coisas ruins em positivas” -, mas a Guerra pareceu seguir seus passos e cruzar de novo seu rumo. Mais uma vez, chegou a hora de dar adeus: “Fugir não é fácil”.

Jéssica começou a assistir ao Big Brother Brasil com 11 anos e não parou mais. Sua família adora o reality show e vibrou muito com a notícia de que a personal trainer, de 26 anos, moradora de Florianópolis, seria uma das sisters do BBB18. “Também me leva”, diz a mãe Tânia, enquanto abraça a filha. E ela vai defender com unhas e dentes sua “princesa” aqui do lado de fora. “Vou bater em todo mundo que maltratar a minha filha”, brinca.

Jaqueline é recém-formada em Biomedicina, mora em Rolim de Moura no cidade do interior de Rondônia. Baladeira, ela conta que é sempre a pessoa mais animada do rolê e que não precisa de álcool para descer até chão. Solteira há quase um ano, a sister não descarta se envolver com outra pessoa na casa e revela seu tipo de homem ideal.

Gleici, a quinta participante o BBB18, tem 22 anos e é natural do Acre. De origem muito humilde, esta estudante de Psicologia de 22 anos é a única da família a concluir o Ensino Médio e chegar à faculdade. “As pessoas falam que tenho um jeitinho meigo, mas, quando quero alguma coisa, vou atrás e luto muito. Para defender uma ideia, uso todos os argumentos, ninguém me vence. Eu sempre quero ganhar em uma discussão”, assume ela.

Diego, escritor de 31 anos e fascinado pelo universo geek é o quarto participante revelado para o BBB18. Fanático por videogame, o novo participante do BBB18 tem quatro consoles e até uma poupança bancária especial só para comprar jogos e acessórios para os videogames. Ele é graduado em dois cursos diferentes: Filosofia e Psicologia. uma das curiosidades é que Diego pediu a namorada em casamento vestido como um personagem da novela “Caminho das Índias”, na festa temática de aniversário da mãe dele.

Caruso é o terceiro participante do BBB18. Segundo Caruso, ele apresenta todas as características de um ogro. É paulista e publicitário, além da fama de ogro,pratica futebol americano e muay thai. Tem espalhadas pelo corpo mais de 60 tatuagens. Ele revelou que adora colecionar tênis, bonés e toucas, e diz que já foi consumista. Segundo ele, são uns 500 pares de tênis e uns 100 bonés. Além das peças de roupa que estão em seu armário, o brother conta que tem muita coisa em um guarda-móveis.

O segundo morador da casa mais vigiada do Brasil é Breno. Ele é arquiteto, tem 29 anos e é de Goiás, GO. Segundo seu perfil, ele Trata a vida como uma novela. Breno tem o apelido de “Adão” entre os amigos. Ele começou a ser chamado assim após ter sido encontrado pelos seus amigos, nu em um jardim, em com uma mulher.

Ana Paula, de 23 anos é a primeira participante revelada no Big Brother Brasil 18. Ela é estudante de jornalismo e mora em Santa Catarina. Também revelou ser bruxa  “Ser bruxa é como ser umbandista. A única diferença é que eu acredito nas deusas. Eu acredito na deusa Afrodite, no deus Posseidon. Em vez de acreditar em Jesus, estou acreditando nas deusas. Eu vou lá e acendo uma vela para Afrodite para pedir um grande amor”, conta a estudante de jornalismo, ao mostrar um dos altares e as poções que faz com seu círculo de bruxas.

Paula, de 29 anos e é mineira. Solteira há dois anos, o último namoro da sister durou três anos e foi com o jogador do Corinthians Rodriguinho, que já atuou na Seleção Brasileira, e a quem ela “carinhosamente” chama de “finado”. Enquanto o par ideal não surge, Paula vai se divertindo com seus ogros magia. Os brothers do BBB18 que se preparem para o tiro. “Sem falsa modéstia nenhuma, me acho uma mulher bonita. Eu estou na fase de pegação”, diz.

Paulista, Viegas, de 33 anos, se encontrou na música e há 7 anos sobrevive de sua arte. Para complementar a renda, vende seus CDs pelas ruas da cidade. “Mesclo muito o reggae e rap. O reggae tem uma identidade muito grande na minha vida. Mas o questionamento e a poesia do rap me chamam muita atenção, por ser mais séria, mais dura. São dois gêneros que sou apaixonado e o fio condutor está aí”, explica. Viegas acredita que sua participação irá agregar muito no seu trabalho como músico.

O paranaense Wagner tem 35 anos e 43 tatuagens que marcam sua pele. “Acho que na casa vou ser um mocinho com nuances de vilão, por causa do meu lado disciplinador”. Para as provas de resistência, ele já tem uma estratégia definida: “Primeiro vou me manter firme e, a partir do momento que as pessoas forem desgarrando, vou entrar no psicológico mesmo. Sou bom em pressão psicológica”.

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta