Baronesa acompanha a vida de ​Andreia​ ​e​ ​Leidiane, duas moradoras de uma favela local que está em guerra de gangues rivais por causa do tráfico. Imagem: Reprodução do filme

Encerrado neste fim de semana, em Cuba, o Festival de Havana, uma das mais respeitadas competições audiovisuais da América Latina, rendeu troféus para uma série de produções brasileiras.

Egresso de Minas Gerais, Baronesa, de Juliana Antunes, foi eleito Melhor Documentário com seu relato para mulheres de classes sociais mais pobres de Belo Horizonte. O épico Joaquim ficou com o prêmio de Melhor Música Original, dado ao coletivo O Grivo. Em competição numa mostra de cineastas estreantes, Pela Janela, drama de Carolina Leone, recebeu uma láurea de Contribuição Artística.

Ganhador do Prêmio Petrobras na Mostra de São Paulo e do Troféu Redentor de Melhor Ator (Daniel de Oliveira), Melhor Ator Coadjuvante (Marco Ricca), Melhor Roteiro (Lucas Paraíso) e Melhor Filme pelo Júri Popular, Aos Teus Olhos, de Carolina Jabor, saiu de Havana com o Prêmio SIGNIS, uma láurea humanista. Ela é concedida pela Associação Católica Mundial para a Comunicação (OCIC) e faz parte do laurel do evento cubano desde 1984. A associação concedeu ainda menção honrosa ao drama Praça Paris, de Lucia Murat. Entre os recebedores passados deste prêmio destacam-se o filme Aquarius, cult de 2016.

Rodado em coprodução com o Brasil, o argentino Zama deu a Lucrecia Martel as láureas de Melhor Dreção, Som e Direção de Arte, além do Prêmio da Crítica, votado pela Federação Internacional de Imprensa Cinematográfica (Fipresci).

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta