fotos: arquivo pessoal Elisângela Roveda

A estação mais colorida do ano vem chegando. E quando se trata de elegância e estilo, as flores e jardins nos saltam aos olhos, com seus diferentes formatos, designs e perfumes.

Paisagista Elisângela Roveda

Mas saiba que eles não devem ser compostos e pensados apenas nessa estação do ano, menos ainda com as flores da época. O fato é que investir num ambiente verde em sua residência ou apartamento é uma ótima opção para se aproximar da natureza –nem que seja um pouco- e trazer um ar de boas vibrações.
Seja jardim suspenso, horta ou enfeitado com palmeiras, o importante é conhecer a proporção antes de iniciar qualquer projeto. A paisagista Elisângela Roveda, 37 anos, trouxe algumas dicas de como montar um jardim. Confira!

Projetando o seu jardim
Segundo a paisagista, técnica ambiental e decoradora Elisângela Roveda, para iniciar a montagem do seu jardim, algumas dicas são importantes. “Avaliar o espaço disponível no ambiente em que queira fazer o jardim é muito importante, além do tamanho da planta, condições ambientais e cuidados que ela necessita. Iluminação e frequência de irrigação devem ser bem observadas”, destaca.

Segundo ela, os clientes apostam bastante em tonalidades diferentes das plantas, procurando a praticidade na hora de manter o espaço. Revitalização do jardim também é outra questão pela qual Elisângela é muito procurada. Uma boa escolha para repaginar o jardim é apostar em objetos antigos, agregados aos novos, como a bicicleta da capa.

“Alguns clientes gostam de ter mais flores e mais verdes, outros de folhagens que não precisem de poda ou irrigação regular e alguns querem mais pedras e grama. Cada cliente tem seu gosto particular e cada jardim sua especificidade”, destaca.

fotos: arquivo pessoal Elisângela Roveda


Frente x Fundos

“As pessoas sempre pensavam em deixar a parte da frente das residências, porta de entrada, linda, enquanto nos fundos apenas o básico era colocado. Mas de um tempo pra cá, os clientes têm se dado conta de que é tudo um conjunto harmônico”, informa.

A profissional relata que nos últimos anos houve, também, uma crescente procura de áreas naturais nas casas, nem que seja de 1m x 1m.
“Quando o arquiteto projeta um imóvel, ele já é pensado com a área de estilo e lazer e circulação de pessoas”, relata.
Caminhos de pedrinhas e gramado que formam uma trilha bem desenhada. Casquinhas, vasos de diferentes formatos e tamanhos. Delicadeza contrastada com o rudimentar. O que vale é o resultado final.

“Quem arrisca fazer por conta, pode ousar de acordo com o ambiente. O importante é se informar na floricultura, ou de quem for comprar a planta, os tipos de cuidados que ela requer. E como primeiro passo, investir em uma cor base para, a partir dela, ornar o restante do seu jardim”, realça.


Tendências da primavera

Assim como o design de interiores e decoração, as tendências perpassam automaticamente até os jardins. De acordo com a paisagista, cada época do ano segue uma moda. “No verão e primavera muita cor e tudo que inclui formas. Inclusive já tenho pedidos de vasos bem coloridos, com flores amarelas, vermelhas, mas aderir ou não às tendências fica a critério de cada pessoa”, salienta.

Algumas flores tradicionais da Primavera são as azaléias, manacás, jasmim manga e ipê, conforme lista a especialista. “A primavera entra com charme e imensidão de cores”, declara.

Outras apostas são as samambaias, folhagens, suculentas e cactos –esse último que ajuda a retirar as ondas emitidas por aparelhos eletrodomésticos, segundo Roveda. “E todas elas necessitam de pouquíssima manutenção”, termina.

Pouco espaço? Jardim vertical!
Se o seu problema é pouco espaço, Elisângela indica o melhor caminho. “Em apartamentos e áreas restritas, temos feito bastantes jardins verticais, aquele na parede. Placa de madeira tratada, vasos e paletes são materiais muito utilizados nesses tipos de elaborações. Complementar com vasos no chão e parede, intercalando as medidas para dar mais volume é uma ótima opção. E, atualmente, a internet veio para facilitar a vida; qualquer um pode fazer um jardim em casa, otimizando espaços de maneira harmônica com o restante do ambiente”, diz.

Hortas, conforme ela explica, também são muito solicitadas tanto para zonas pequenas quanto grandes.
“E há o jardim de inverno, aquele mantido em interiores, com ou sem marquise e cobertura. As plantas mais utilizadas são, geralmente, espada de São Jorge, zamioculca e, coloridas, bromélias, orquídeas e flores de campo. Ou folhagens que não precisam de muita manutenção”, indica.

Bonsais, muito comuns dentro das casas, Elisângela afirma ter poucos pedidos. “A poda, iluminação e adubação precisam ser muito regulares, assim como no caso de mini jabuticabeiras e frutíferas. Cuidados bem específicos que muitos não dispõem de tempo para realizá-los”, enfatiza.

Área da piscina
Luzes que direcionam e dão forma. Bacias – vasos mais baixos e abertos-, palmeiras e buxo –planta que parece arbusto. Essas são plantações as mais comuns nas áreas de piscina.
“O mais adequado são aquelas plantas que não derrubem folhas no período de troca. E quem tem piscina, geralmente não quer sombra. Nessa área o que fica bem implantado também são os canteiros com plantas ornamentais e cactos”, diz Elisângela.

Apartamento
Um vaso de planta pode ser um jardim? Se assim a pessoa interpretar, segundo Elisângela, sim.
Como os apartamentos geralmente possuem menos espaço, a maioria das ornamentações de canteiros são com vasos. Jardins e hortas suspensas são ótimas pedidas também. “Já levo a planta no pote para fazer a cobertura com pedrisco ou casquinha, por exemplo. Nunca fui em uma casa sem planta. O verde proveniente delas traz vida, transforma o ambiente”, conclui.

Manutenção, revitalização e complemento

Essas são três importantes dicas passadas pela paisagista para que seu jardim mantenha-se sempre impecável: manutenção, revitalização e complemento. A manutenção deve ser mensal, com podas – conforme o tipo de planta- e corte de grama.
A revitalização deve ser realizada ao menos uma vez por ano. Adubar, limpar plantas e arbustos para que cresçam e se desenvolvam bonitos estão entre os processos.

“E complemento, quando precisa refazer algo, utilizando itens já existentes ou do zero”, destaca.
Outra dica legal dela são os materiais sustentáveis, como madeira de demolição, que ficam lindos nos ambientes, minimizam os impactos negativos à natureza e podem ser facilmente encontrados.

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta