Foto: Roberta Lino da Silva

No último dia 19 de agosto foi comemorado o Dia Mundial da Fotografia. E um ensaio em especial trouxe muita representatividade e empoderamento negro. Registrado pelas lentes de Roberta Lino da Silva, 21 anos, o projeto Movimento Negro reuniu amigos da jovem, contabilizando nove adultos e duas crianças. E mais do que um papel artístico, as fotografias tem significado de resistência. “Escolhi negros porque somos diferentes, cada um no seu estilo, jeito de andar e cabelo”, pontua.

Para representar ainda mais as personalidades, Roberta contou com o apoio de lojistas locais, com empréstimo de roupas masculinas e femininas. Para a fotógrafa, que há seis meses arrisca na profissão, através das lentes é possível mostrar mais da beleza negra. “As meninas, por exemplo, não usaram muita maquiagem, apenas batons. Eles foram incríveis, amei trabalhar com eles”, conclui.

O cenário escolhido para a estreia do projeto, também não poderia ser melhor: a Estação da Cultura. Espaço de lazer e história montenegrina, que reúne paisagens, entre o verde vivo da grama e árvores e o antigo prédio que abrigava embarques e desembarques.
A pretensão de Roberta , agora, é realizar novas fotos no próximo verão.

A experiência de quem esteve do outro lado

Mara Denise de Lima Bonifácio, 40 anos, participou do projeto, realizado em um domingo.
“Recebi o convite da Roberta e para mim foi muito gratificante. Foi uma experiência diferente, pois eu nunca havia participado de um ensaio e sempre tive dificuldade em tirar fotos. Achei uma ótima iniciativa”, diz.

Amigas há algum tempo, Denise destaca a importância da atividade. “Eu, por exemplo, sou uma pessoa que não usava meu cabelo como é hoje. E nem por conta de modismo, porque eu tinha dificuldade de aceitá-lo crespo. Mas uma vez em li em um flyer que é impossível que algo que nasceu contigo ficar feio para ti. A partir dessa reflexão, há uns dois anos resolvi mudar. Então esse projeto é muito importante para que as pessoas negras se aceitem do que jeito que são, porque acredito que só assim é possível ser feliz plenamente”, pontua.

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta