Fotos: reprodução internet

As construções sustentáveis, desde seu projeto, pretendem implantar modificações conscientes no setor da arquitetura. De sua concepção até a execução, ampliação, reforma, demolição e até mesmo o design de interiores, a prática objetiva, entre outros fatores, aproveitar condições naturais locais, com redução de consumos energético, de água e de matérias primas.

Fotos: reprodução internet

De acordo com a arquiteta Vanessa Pepe e a engenheira civil Patrícia Brenner, o Brasil é o 5º colocado no ranking das nações com a maior quantidade de prédios com o chamado Selo Verde.

“Podemos dizer que as construções sustentáveis se caracterizam por alguns princípios básicos de construção, ou seja, engenheiros e arquitetos deverão levar em conta algumas características na execução de seus projetos”, destaca Patrícia.

Foto: arquivo pessoal

As características incluem aproveitamento de condições naturais locais; viabilidade econômica; qualidade ambiental interna e externa; redução do consumo energético; redução do consumo de água; uso de matérias-primas adequadas a eco-eficiência do processo, além de reduzir, reutilizar e reciclar.

Fontes Renováveis
A energia solar é uma fonte de energia limpa, renovável, que não possui nenhum tipo de ruído e é inesgotável. Isso faz dela uma fonte de energia do futuro que vem crescendo cada vez mais. É um investimento lucrativo a longo prazo, e, por não prejudicar o meio ambiente, vem sendo adotado nas residências, indústrias e estabelecimentos comerciais

Como escolher os materiais de forma consciente e ajudar a reduzir o impacto da construção civil no meio ambiente?
Argamassa – Emissão de gases para efeito estufa e consumo de água para a argamassa industrializada são menores em relação à argamassa virada em obra, ou seja, a utilização da argamassa industrializada se mostra mais ecoeficiente.

Cimento – Opte por cimento com a tecnologia de coprocessamento, onde reaproveita pneus, biomassas e resíduos para substituir parte do combustível fóssil na fabricação do mesmo, sobretudo porque no Brasil ainda enfrenta-se desafios no tratamento adequado de resíduos.

Concreto – Utilização de Pavers, também conhecidos como piso intertravado ou bloquetes, permitirem inúmeros layouts. Dispensam o uso de rejunte – que facilita a infiltração e absorção da água pluvial.

Fotos: reprodução internet

Decorar+Design, Criatividade e Versatilidade
De acordo com as profissionais, o conceito de sustentabilidade surgiu após a década de 1970, na Conferência das Nações Unidas de Estocolmo. A proposta tem como objetivo atender as necessidades humanas e a utilização consciente dos recursos naturais. Esse desafio vale para todos os setores, inclusive o da construção civil, arquitetônico e do design.
A arquitetura e design sustentável concebe o projeto procurando otimizar recursos naturais e sistemas de edificação que, de tal modo, minimizem o impacto ambiental sobre o meio ambiente e seus habitantes.

Fotos: reprodução internet

Faça você mesmo
A decoração sustentável pode ser algo divertido!
“Procure em casa ou garimpar em brechós e feiras objetos que podem receber uma nova roupagem e ganhar sua própria personalidade! Pequenas mudanças são suficientes para ter um resultado incrível, uma linda peça de decoração sustentável”, destaca Vanessa.

Carretel Industrial – Eles podem virar banquinhos. Pinte a base e aproveite a parte superior, servirá de apoio.

Garrafas de vinho – pode ser um objeto de decoração em sua forma natural, como vasos de flores.

Aro de bicicleta – Use o aro como base e passe o fio da lâmpada no meio do aro. A ideia é que ela fique como um pendente.

Discos de vinil – Os discos não escutados viram um relógio de parede. Para os 12 números do relógio você pode usar vários objetos como pedaços de metal ou madeira. A máquina que faz o relógio funcionar pode ser encontrado em relojoarias.

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta