No mês de estimulação ao Aleitamento Materno, quando, em todo Brasil, enfermeiras, pediatras, psicólogos, nutricionistas e outros técnicos da área da Saúde participam de ações de conscientização, para o público em geral. São realizadas palestras em escolas, comunidades, hospitais, postos de Saúde, UPAs, nos meios de comunicação, rádios, emissoras de televisão, etc.
Tudo para fixar na população, e em especial nas mulheres em idade fértil, a ideia da importância suprema do leite materno. As mamas das mulheres são constituídas por 10 a 20 unidades lactíferas, quer dizer, produtoras de leite. São estruturas envoltas em tecido conjuntivo, com uma complexa rede de vasos sanguíneos e linfáticos. Todos se comunicam entre si, formando um sistema de canais que vão se drenando em direção da auréola mamária, desaguando, por assim dizer, no mamilo.
Na puberdade, os hormônios estrogênio e progesterona vão desenvolver a mama até atingir a dimensão de adulta, quando estarão aptas a exercer sua função de produzir leite. Só nessa ocasião, a hipófise e a placenta também vão influir no início e manutenção da produção do leite materno. O nenê vai receber um alimento constituído de proteínas, gorduras, hidratos de carbono. Além de sais minerais, lípides, vitaminas. Por isso que uma mulher sadia e saudável produzirá leite materno de maior ou de menor qualidade.
Mas o principal valor do leite materno é, na realidade, o seu papel de proteção ao bebê, às doenças gastrointestinais. A doença diarreica infecciosa é praticamente inexistente em bebês alimentados ao seio materno. Ele ainda possui ainda outras imunoglobulinas com atividades de anticorpos, contra diversos microorganismos infecciosos. Existem, basicamente, três tipos de imunoglobulinas, o IgA, o IgG e o IgM, presentes desde o colostro, que é o leite inicial, logo após o parto.
Trabalhos científicos realizados pela OMS, Organização Mundial da Saúde, em países pobres da África e américas, notaram uma intensa queda de óbitos, em recém nascidos alimentados ao seio. E nos países ricos, da Europa e USA/Canadá, a sua importante defesa contra a obesidade, prevenindo a super-alimentação, tão comum quando são usadas fórmulas de leite em pó.
Simples assim.

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta