Uma mulher bem vestida em um evento: aquele encontro entre a pessoa, a cor, o bom gosto e o vestido certo. Seja ela uma celebridade ou não, para um criador de moda é transcendental. Alguns exemplos de tal afirmativa em eventos pelo mundo. Veja bem sobre o que digo.

Personagens Eternos
Grace Kelly
Ainda não assisti “Grace: A Princesa de Mônaco” (2014), onde Nicole Kidman foi a estrela escolhida para viver a trajetória cheia de contradições da linda atriz que se tornou princesa e que se estivesse viva, completaria 88 anos no último domingo, dia 12. O filme foi alvo de fortes críticas da imprensa especializada e da família Grimaldi, que ficou revoltadíssima com a narrativa.

 

Mais do mesmo:
Eu adoro pantalonas enormes no verão, ainda mais quando a gente precisa estar com um visual “em ordem”, aliado a conforto e elegância, pois veste super bem e ainda combina com qualquer blusa, da camisa de seda à blusinha mais simples. Tenho preta e marinho e nada mais há anos e não me desfaço, pois não saem do repertório.

Por que amamos Moda?
Porque Meryl Streep segue irretocável na última capa do ano que celebra o 125º aniversário da Vogue América. Clicada por Anne Leibovitz, a atriz com seu jeito simples e sorridente fala sobre Katharine Graham, no filme The Post — com estreia prevista para o fim deste ano. O longa, que contará a história da importante jornalista da década de 1970, que era amiga de Anna Wintour, editora da revista.

 

 

Divino ou desastroso?
A cantora Rita Ora, de roupão e toalha na cabeça em evento da MTV, Europe Music Awards. Quem nunca pensou nisso?

O vestir e a cidade
As comportadas estudantes da década de 1960 com seus uniformes escolares, camisetes de mangas levemente bufantes adornadas por gravatinhas e cintos finos. Eram elas : Celiza Metz, Áurea Noval, Rejane Poeta Jaeger e Traude Müller. Acervo: Romelio Alves de Oliveira

Você tem alguma foto histórica sua ou de alguém especial vestindo algum traje de época?
Vamos adorar publicar neste espaço! envie para o nosso Facebook ou e-mail fernandaisse@gmail.com

Pense nisso:
“Todos somos iguais perante o tempo”.
Roberto da Matta, antropólogo, em entrevista ao Fantástico, sobre o costume que temos de estarmos sempre atrasados para os compromissos

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta