Porque o casamento (e tudo que diz respeito ao evento) da atriz americana Meghan Markle com o príncipe Harry da Inglaterra no último sábado, agradou aos olhos do mundo, e será assunto por um bom tempo. O vestido da noiva, minimalista e elegante (não me fale em simplicidade!), assinado pela casa Givenchy sem bordado algum e de corte à Audrey Hepburn, bem característico ao estilo marca, que é hoje comandada por uma inglesa, ClareWaight Keller. As atenções se voltaram também ao véu enorme em tule de seda, este sim adornado por bordados, e à coroa de diamantes, pertencente a Rainha Maria, peça de família do noivo desde 1893.

Um Traje. É um Traje…
Ou ainda, sua atitude faz o traje, e esses convidados fantásticos nos dizem isso com destreza arrasando no visual “casamento de dia”. Vamos aprender com quem conhece!

Personagens eternos…
Príncipe Eduard VIII-O Duque de Windsor
Meu personagem favorito da Família Real Britânica, e o mais controverso, o irmão do Rei Jorge VI , pai da Rainha Elisabeth, tornou-se rei com a morte de seu pai, em1936. Com poucos meses de reinado, ele causou uma crise constitucional ao propor casamento à socialite americana Wallis Simpson, divorciada do primeiro marido e mais velha do que ele (assim como a Meghan gente!). Seu último ato como rei foi dar o consentimento real à Lei da Declaração de Abdicação de Sua Majestade explicando sua decisão de abdicar. Nessa transmissão, disse a famosa frase: “Eu achei impossível carregar o pesado fardo da responsabilidade e cumprir meus deveres como rei, como eu gostaria de fazer, sem a ajuda e o apoio da mulher que eu amo”. Outros tempos, não é mesmo?

O vestir e a cidade
Este lindo casal na mais perfeita sintonia assim está até os dias de hoje: Luiz Augusto e Inês Francisco Alves,saindo da Catedral São João Batista em 1983.

Você tem alguma foto histórica sua ou de alguém especial vestindo algum traje de época? Vamos adorar publicar neste espaço! Envie para o nosso Facebook ou e-mail fernandaisse@gmail.com

Pense Nisso:
“Tão significativo essa princesa, atriz, feminista, divorciada, ser o centro do mundo nesse momento. Achei lindo ela levar a mãe no carro até a igreja. Uma pena que ela tenha que abandonar a profissão que escolheu. Se bem que a ‘personagem’ mulher de príncipe, tem tantos protocolos que não deixa de ser um trabalho de atriz. Tipo uma série que dura a vida toda”. Ingrid Guimarães, atriz

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta